20 de jan de 2018

200. O TOURO FERDINANDO (2017)

Dentre os grandes estúdios de animação de Hollywood, talvez a Blue Sky seja a única que ainda não produziu um grande clássico. Eles fizeram ótimos filmes como 'A Era do Gelo', 'Rio' 'Snoopy e Charlie Brown' e 'Horton e o Mundo dos Quem' - meu favorito do estúdio. O projeto mais recente deles é uma adaptação de um livro infantil que já havia sido adaptado para um curta-metragem pela Disney em 1938 (que inclusive ganhou o Oscar de Melhor Curta Animado). 'O Touro Ferdinando' da Blue Sky é uma delícia de se assistir. O design dos personagens é muito fofo, a animação é bem fluida e as cores usadas são lindas. Isso sem contar as paisagens maravilhosas que eles criaram. Pena que tudo isso não compensa a falta de história. Este filme poderia ser facilmente um curta metragem, já que o roteiro não fornece elementos o suficiente para completar os longos 108 minutos de duração. Muitos pontos da história lembram bastante 'A Fuga das Galinhas', mas sem os diálogos espertos e nem o carisma dos personagens. 'O Touro Ferdinando' não chega a ser um filme ruim, na verdade está bem longe disso, mas é um filme sem ousadia nenhuma, se tornando apenas mais um passatempo. É uma pena ver um clássico da literatura infantil receber um tratamento tão simplório. 'O Touro Ferdinando' é um filme visualmente impecável, recheado de cores e cenários lindos. Pena que o empenho no visual não se aplicou na construção do roteiro. É um filme ok, passageiro. (Ferdinand. Dirigido por Carlos Saldanha. Com John Cena, Kate McKinnon e Gina Rodriguez. Aventura. 108 min.)

NOTA: 6

18 de jan de 2018

199. SOBRENATURAL: A ÚLTIMA CHAVE (2018)

A franquia 'Sobrenatural' é uma das minhas favoritas atualmente. Não acho que os filmes são divisores de águas, nem obras-primas, mas acho que eles cumprem muito bem aquilo que prometem. Este quarto capítulo, intitulado 'A Última Chave' é certamente o mais fraco até agora, mas ainda assim ele oferece uma enorme quantidade de coisas legais. Já aviso que esperar originalidade em 'Sobrenatural' é burrice, já que a série assumidamente pega emprestado clichês dos filmes dos anos 80 e brinca com eles de diversas formas. O grande mérito dessa franquia é o carisma de seus personagens e como a relação entre eles funciona perfeitamente. Pra falar a verdade 'Sobrenatural' só se tornou uma franquia graças a personagem Elise, interpretada pela excelente Lin Shaye. Dá pra notar que Lin se diverte no papel e dá tudo de si para trazer aquela personagem para a tela. O público abraçou tanto a personagem que acabaram transformando ela na protagonista da série, sendo que ela morre no primeiro filme. A história de 'A Última Chave' é interessante, mas é mais do mesmo em diversos aspectos. Eles até conseguem dar algumas revira-voltas interessantes na trama, mas no geral o roteiro se apoia em conceitos já estabelecidos em vários filmes de terror. Mas 'Sobrenatural' sempre foi sobre como os clichês do gênero são usados, e aqui - mais uma vez - os clichês são MUITO bem usados. 'Sobrenatural - A Última Chave' pode não agradar àqueles que detestam clichês e sempre esperam uma revolução cinematográfica em cada filme que vai ver. Mas, por outro lado, vai agradar àqueles que só estão em busca de uma diversão bem feita e cheia de carisma. (Insidious: The Last Key. Dirigido por Adam Robitel. Com Lin Shaye. Terror. 103 min.)

NOTA: 7

4 de jan de 2018

198. JUMANJI: BEM VINDO À SELVA (2017)

'Jumanji', de 1995, tem um conceito absurdamente divertido e é impressionante que isso não tenha sido reaproveitado em sequências. O final indicava que uma sequência poderia estar a caminho, mas ao invés disso tivemos 'Zathura' que é um filme igualmente divertido, mas que não desenvolve as propostas do primeiro. Mais de 20 anos depois do filme original chega 'Jumanji: Bem Vindo à Selva', que funciona mais como um reboot do que sequência. Aqui o jogo de tabuleiro foi trocado por um jogo de videogame, algo que fez muitas pessoas torcerem o nariz quando saiu o trailer mas que faz total sentido levando em conta que a geração atual está mais focada em video games do que jogos de tabuleiro. O filme brinca com essa ideia de forma extremamente divertida, criando diálogos e situações entre os personagens que traduzem muito bem para a tela os conceitos do que é um video game. Coisas como morrer e voltar, número de vidas e habilidades desnecessárias (mas que acabam se tornando necessárias) são muito bem exploradas pelo roteiro. Falando nisso, o roteiro não é aquela coisa mega inteligente, mas ele sabe seus limites e sabe brincar com aquilo que lhe foi dado. O humor é certeiro e as piadas funcionam na grande maioria das vezes, sobrando pouco espaço para momentos descartáveis. O filme talvez seja um pouco mais longo do que deveria, já que suas 2 horas acabam cansando em um certo momento. Talvez se tirasse uns 15 minutos, tudo ficaria mais fluído. 'Jumanji: Bem Vindo à Selva' é uma grata surpresa pois é um filme onde tudo levava a crer que seria uma bomba. Felizmente o filme abraça os clichês e a tosquice, e ao fazer isso ele acabou se tornando um dos maiores exemplos de entretenimentos dos últimos anos. (Jumanji: Welcome To The Jungle. Com Dwayne Johnson, Jack Black, Nick Jonas e Karen Gillan. Aventura. 119 min.)

NOTA: 7.5