30 de jan de 2017

115. ESQUADRÃO SUICIDA (2016)

É difícil falar mal de um filme que eu torcia tanto pra ser bom. Mesmo não gostando dos trailers, eu mantinha uma esperança de que a DC iria acertar dessa vez, já que a escolha da equipe na frente e por trás das câmeras era perfeita. Apesar de estar em desenvolvimento há anos, é óbvio que o filme só começou a tomar forma após o sucesso de 'Guardiões da Galáxia', que possui a mesma base: vilões que se juntam pra realizar uma missão do bem. O filme tinha absolutamente tudo para dar certo, se não fosse o roteiro preguiçoso e sem sentido de David Ayer. Eu não sei ao certo se mais alguém mexeu no roteiro, ou se o filme teve muitos cortes por parte do estúdio, mas a verdade é que pouca coisa no filme faz sentido. A vilã do filme surge justamente da criação do próprio esquadrão, o que não faz muito sentido. Muitos personagens estão ali sem propósito algum, apenas para protagonizar rápidas cenas de ação. O roteiro força uma amizade nível família, cheio de diálogos motivacionais que não convencem em nenhum momento. E pra piorar tem a relação da Arlequina com o Coringa, totalmente fora de tom e desconexa em diversos momentos. Margot Robbie talvez seja a única coisa boa no filme, e já Jared Letto como Coringa consegue ser a pior interpretação do personagem que já vi. 'Batman v Superman' até que melhorou bastante em sua versão estendida já que a maioria dos seus problemas estava na edição do filme, já em 'Esquadrão Suicida' o problema vem direto no roteiro, algo difíciel de ser arrumado em uma edição estendida. Uma pena, pois tinha muito potencial. (Suicide Squad. Dirigido por David Ayer. Com Will Smith, Margot Robbie e Jared Leto. 123 min. Ação.)

NOTA: 3

24 de jan de 2017

114. STAR TREK - SEM FRONTEIRAS (2016)

Quando fui ao cinema em 2009 ver 'Star Trek', eu estava lá como fã do diretor J.J. Abrams. Saí da sessão comprando o box com os 6 filmes da série original em DVD de tão incrível que achei aquele filme. Durante 4 anos eu vi e revi os filmes (principalmente o 2 e o 3) até que chegou 'Além da Escuridão'.  Também dirigido por J.J. Abrams, essa sequência causou em mim as mesmas emoções que o anterior. E mais uma vez, mas desta vez dirigido por Justin Li, 'Star Trek' me deixou em êxtase. O terceiro capítulo dessa nova leva, intitulado 'Sem Fronteiras' é uma aventura que brinca com o antigo formato da série original, onde os personagens eram divididos em duplas. Aqui cada dupla tem um desenvolvimento narrativo próprio, e todos igualmente interessantes. No meio disso tudo é injetada cenas de ação que somente Justin Lin sabe criar, como já vimos na série 'Velozes e Furiosos'. Ele dirigiu 4 filmes da série, e aqui ele faz um compilado de tudo o que ele aprendeu lá. Você nunca viu a Enterprise ser filmada do jeito que ele a filma, é um take mais lindo que outro. Tem uma cena dela decolando, onde a câmera é colocada em lugares bastante diferentes do que estamos acostumados, e isso deixa este filme muito mais único. Falando nisso, o visual é espetacular. A fotografia, os cenários (!!!), a maquiagem e principalmente os efeitos especiais. A cada novo capítulo, a série vem mostrando ter um excelente senso de estética e aqui talvez seja seu ápice. 'Star Trek - Sem Fronteiras' é mais um capítulo incrível dessa série que só vem melhorando. (Star Trek Beyond. Dirigido por Justin Lin. Com Simon Pegg, Chris Pine e Zachary Quinto. Aventura. 122 min.)

NOTA: 9

21 de jan de 2017

113. CAÇA-FANTASMAS (2016)

Olha... eu gosto muito de 'Os Caça-Fantasmas' de 1984, mas não considero ele a Bíblia da comédia como muitos por aí. Talvez por isso eu não tenha me sentido ofendido como a maioria das pessoas quando anunciaram um remake. Além disso, eu gosto muito do trabalho das protagonistas (principalmente Melissa McCarthy). Na verdade fiquei mais animado por ser um novo filme da Melissa do que um remake de 'Os Caça-Fantasmas'. Mas claro, eu tinha aquela pulga atrás da orelha, porém eu também tinha a mente aberta pra tentar entender e absorver a proposta do filme. No final das contas acho que o filme entrega muito mais do que ele promete. Me diverti do início ao fim, gargalhei sem parar, e achei as cenas de ação excelentes. Obviamente é impossível não comparar com o original, já que se trata de um remake, mas acabei gostando tanto deste como gosto do original. Ambos não possuem grandes pretensões, a não ser divertir e ambos conseguem isso de maneiras diferentes. A química do elenco totalmente feminino está sensacional e eu gostaria muito de ver outros filmes com elas. O roteiro segue basicamente a mesma fórmula do primeiro filme, com algumas pequenas mudanças. O único ponto negativo foi a participação especial do elenco original, que não agregou nada e ainda ficou sem sentido. No geral, 'Caça-Fantasmas' é um filme com um senso de humor ótimo e cenas de ação inventivas. O novo grupo tem uma química excelente e o filme ainda oferece alguns sustos de brinde. Continuo sem entender o mimimi da galera com esse filme. (Ghostbusters. Dirigido por Paul Feig. Com Melissa McCarthy, Kristen Wiig, Kate McKinnon, Leslie Jones e Chris Hemsworth. Comédia. 116 min.)

NOTA: 7.5

19 de jan de 2017

112. ÁGUAS RASAS (2016)

Jaume Collet Serra não é um nome tão forte na indústria, mas deveria. Diretor de filmes como 'A Casa de Cera', 'Sem Escalas' e 'A Órfã', ele vem se mostrando ser bastante talentoso e extremamente versátil. Seu mais novo filme 'Águas Rasas' é aquele tipo de filme que nas mãos erradas poderia ter dado muito, mas muito errado. O roteiro do filme é interessante, mas não tem nada de chocante. Temos uma garota surfista, que acaba sendo atacada por um tubarão e acaba ficando ilhada em uma rocha, com o tubarão constantemente rondando ela. O interessante é o que o diretor fez com esse roteiro. Visualmente o filme é estonteante, com cenas de praia filmadas de um jeito como nunca eu tinha visto. Tem alguns takes feitos de uma altura absurda, com a câmera totalmente virada para baixo que são tão lindas a ponto de imprimir e botar na parede. Outro fator importante para este filme ter funcionado tanto foi Blake Lively. Ela basicamente carrega o filme nas costas, atuando 90% do tempo sozinha e passando toda angústia da personagem para a tela. As motivações são interessantes e o desenvolvimento é aceitável, mas é a intensidade de Blake Lively que fez a personagem realmente ser carismática. Jaume Collet Serra cria mais um thriller frenético e tenso. 'Águas Rasas' talvez seja aquele tipo de filme que você passasse reto, sem prestar muita atenção. E é esse tipo de filme que normalmente acaba surpreendendo. Um filme dinâmico, ágil e incrivelmente emocionante. (The Shallows. Dirigido por Jaume Collet Serra. Com Blake Lively. Suspense. 86 min.)

NOTA: 8.5

16 de jan de 2017

111. O HOMEM NAS TREVAS (2016)

Quando Fede Alvarez surgiu em 2013 dirigindo e roteirizando o remake de 'Evil Dead' pouca gente deu atenção ao cara. Seu segundo filme 'O Homem Nas Trevas' não era muito aguardado pelo público e poucos tinham conhecimento sobre a produção. Custando pouco menos de 10 milhões, o filme acabou arrecadando mais de 150 milhões ao redor do mundo. Um feito bastante merecido, pois mostra que bons filmes de terror tem sim uma bela fatia do mercado. O roteiro é perfeitamente construído, com personagens motivados por situações muito bem desenvolvidas. Além disso, a trama possui diversos twists inesperados e que deixam a experiência muito mais interessante. O diretor Fede Alvarez conseguiu criar um filme visualmente lindo e ao mesmo tempo angustiante. A fotografia é bem escura, mas não daquele tipo que você não enxerga nada, muito pelo contrário. Ao mesmo tempo que ele brinca com as sombras e a escuridão, ele não te deixa cego (sem trocadilhos hehe), muitas vezes mostrando em tela objetos que serão importante mais para a frente. 'O Homem Nas Trevas' é perfeitamente dirigido e agoniante desde seu início até a última cena. Um filme obrigatório para quem gosta de terror e suspense. (Don't Breathe. Dirigido por Fede Alvarez. Com Stephen Lang e Jane Levy. Suspense / Terror. 88 min.)

NOTA: 9

14 de jan de 2017

110. QUANDO AS LUZES SE APAGAM (2016)

Um cara faz um curta de horror e então ele é chamado para fazer um longa. Essa história já se repetiu algumas vezes em Hollywood, mas a diferença aqui é que 'Lights Out' já era um curta extremamente famoso na internet quando o filme foi anunciado. Para minha surpresa, 'Quando As Luzes Se Apagam' acabou se saindo uma excelente experiência. O roteiro estabelece muito bem os personagens já nos primeiros 10 minutos, e desenvolve eles muito bem ao longo da narrativa. Ele subverte vários clichês do gênero como a moça indefesa, que aqui é uma mulher independente. Também temos aqui uma mãe que fala com espíritos, quando normalmente é a criança que faz isso. A resolução do problema no terceiro ato do filme também é algo bastante inesperado e que acabou se tornando em um dos finais mais corajosos que já vi. Além de ótimos personagens, o filme oferece diversos sustos, e construídos de diversas maneiras. Nada ali parece repetitivo ou forçado, já que o roteiro e a direção não se preocupam em encher linguiça e acabam sempre indo direto ao assunto, o que justifica o filme ter apenas 75 minutos. 'Quando As Luzes Apagam' é o primeiro filme do diretor David F. Sandberg, e este nome é um dos que vou ficar atento. Já em seu primeiro trabalho, conseguiu criar um dos melhores filmes de terror de 2016. (Lights Out. Dirigido por David F. Sandberg. Com Teresa Palmer e Maria Bello. Terror. 81 min.)

NOTA: 8.5