31 de mar de 2016

99. BATMAN v SUPERMAN - A ORIGEM DA JUSTIÇA (2016)

É bem difícil escrever sobre esse filme. Por mais que eu tenha gostado de MUITA coisa nele, os defeitos são gritantes e imperdoáveis. Zack Snyder peca na direção em vários momentos assim como o roteiro não coopera para a coisa funcionar. Não entendo por que a Lois é basicamente a personagem central do filme, aparecendo muito mais do que devia. Jesse Eisenberg como Lex Luthor não funciona nem um pouco, e ás vezes lembrava o Coringa. Mulher Maravilha ficou incrível e suas cenas de ação são algumas das melhores do filme, mas narrativamente ela é imprestável. Ela poderia ser tirada do filme sem fazer falta já que a personagem pouco importa para a trama. A Liga da Justiça é apresentada em forma de um email. Batman e Superman se enfrentam apenas 1 vez e por apenas 8 minutos. Sim, isso mesmo! E o motivo que faz a rivalidade acabar é absurdamente ridícula, gerando risadas na sala de cinema. A luta começa com Batman dando tiros e socos em Superman. Um personagem como ele teria sido mais inteligente nas suas táticas. O vilão Apocalypse é bastante ameaçador, mas visualmente ele ficou muito cartunesco. Por outro lado, a trilha sonora é incrível (mesmo que seja usada em vários momentos errados) e os temas criados são perfeitamente imponentes. Visualmente o filme está impecável, como todos os filmes do Zack Snyder. A fotografia, os figurinos, a direção de arte, tudo está lindo nesse filme. Ben Affleck está perfeito como Batman, e talvez seja o melhor Batman até hoje. No geral, o filme acaba tendo mais erros do que acertos. Porém, a nerdisse aqui falou mais alto e ver Batman e Superman no mesmo filme é emocionante. Eu realmente gostaria que Zack Snyder caísse fora do projeto 'Liga da Justiça' já que a direção dele é bem duvidosa em vários momentos. 'BvS' é um filme visualmente fantástico, mas narrativamente decepcionante. Uma experiência apenas ok. (Batman vs. Superman - Dawn of Justice. Dirigido por Zack Snyder. Ação. 152 min.)


NOTA: 6

7 de mar de 2016

98. CAROL (2015)

Dentre todas injustiças que aconteceram no Oscar 2016, a ausência de 'Carol' na categoria de Melhor Filme talvez seja uma das mais significativas. Lembrado pelo seu visual (nas categorias de Fotografia e Figurino), pelo seu texto (na categoria de Roteiro Adaptado) e pelas atuações (nas categorias de Atriz e Atriz Coadjuvante), fica difícil acreditar que a Academia não o colocou entre os melhores do ano. Mesmo assim, tenho certeza que o filme será tão lembrado quanto (talvez até mais) os principais vencedores deste Oscar. 'Carol' conta a história de um romance entre uma garota, Therese e uma mulher mais velha, Carol. Como esperado, as duas passam por dificuldades pessoais ao tentarem viver esse romance. O filme tem um tema bastante difícil de ser contado com naturalidade, mas o diretor Todd Haynes conseguiu criar uma obra intimista e sem medo de questionar certos valores da época, mas que ainda se aplicam nos dias de hoje. O roteiro é quase poético de tão leve com que a narrativa se desenvolve. Os diálogos e a interação entre Therese e Carol são extremamente genuínas e de uma beleza notável. Cate Blanchett está admirável no papel principal, criando mais uma personagem forte. Rooney Mara vem cada vez me impressionando mais com cada filme que ela vem fazendo. Não se confunda com a indicação da atriz na categoria de Atriz Coadjuvante, pois sua personagem é tão principal quanto a personagem-título. Ao fim, 'Carol' é um romance lindo, muito bem contado e atuado, com uma trilha sonora deliciosa e um desfecho que me deixou bastante satisfeito! (Idem. Dirigido por Todd Haynes. Com Cate Blanchett e Rooney Mara. Romance. 118 min.)

NOTA: 9