21 de dez de 2015

84. O ESTRANHO THOMAS (2013)

O diretor Stephen Sommers ganhou fama ao dirigir 'A Múmia' e sua sequência 'O Retorno da Múmia'. Em 2004 ele fez o péssimo 'Van Helsing' e em 2009 lançou o dispensável 'G.I. Joe - A Origem de Cobra'. Perto das superproduções que foram estes últimos filmes, 'O Estranho Thomas' é um filme bem pequeno - mesmo que tenham sido gastos quase 30 milhões na sua produção. Lançado em 2013 e fazendo pouco barulho, o filme conta a história de Thomas, um garoto que vê espíritos e começa a notar que algo maior está prestes a acontecer. O roteiro escrito pelo próprio Sommers não é a coisa mais original que já vi, mas está bem longe de ser mais do mesmo. Baseado no livro de mesmo nome, o roteiro é cheio de situações inusitadas e com diálogos cheios de um senso de humor delicioso. Por ser um filme 'menor', eu esperava um acabamento menos delicado, mas ainda bem que eu estava errado. A fotografia do filme é realmente linda e os efeitos especiais são de encher os olhos, além disso, as cenas de ação são muito bem construídas e coreografadas. 'O Estranho Thomas' é uma pequeno-grande filme que custou bastante acima do que outros longas do gênero, mas que acabou sendo um fracasso gigantesco. Uma pena, já que o filme merecia muito mais destaque e deveria ter sido um sucesso de bilheteria já que ele mistura gêneros perfeitamente, resultando em um dos filmes de terror mais divertido dos últimos anos. (Odd Thomas. Dirigido por Stephen Sommers. Com Anton Yelchin. Terror. 93 min.)

NOTA: 8

16 de nov de 2015

83. LOST SOUL (2014)

Sempre gostei de documentários sobre cinema, principalmente aqueles que exploram sagas de terror como 'Crystal Lake Memories' - sobre a série 'Sexta-Feira 13' - e 'Never Sleep Again' - sobre a série 'A Hora do Pesadelo'. Diversas outras séries como 'Halloween', 'Psicose' e 'A Volta dos Mortos Vivos' também ganharam excelentes documentários sobre seus bastidores. Outro tipo de documentário que gosto é aquele que aborda produções problemáticas como 'Lost in La Mancha' e o recente 'Lost Soul'. Este último reconta - através de entrevistas - como foi absurda a produção do filme 'A Ilha do Dr. Moreau' lançado em 1996. Concebido como uma super produção, o longa de Richard Stanley tinha no elenco estrelas como Marlon Brando e Val Kilmer. Os dois acabaram gerando a maioria dos problemas já que ambos tinham crises de estrelismo, muitas vezes criando atritos no set de filmagens. O diretor também parecia bastante perdido e suas idéias não condiziam com aquilo que os produtores esperavam. Devido às diversas desavenças criativas, o diretor acabou sendo demitido e as entrevistas que o mesmo concedeu para este documentário são recheadas de histórias literalmente absurdas. O documentário explora a partir de diversas fontes o estado insano e perturbador que foram as filmagens, o que gera uma enorme quantidade de relatos bastante interessantes. 'A Ilha do Dr. Moreau' acabou sendo um fracasso de crítica bilheteria, e 'Lost Soul' é um enorme tesouro que conta um pequeno pedaço da história do cinema americano ao retratar os vários motivos que levaram este filme promissor ao fracasso absoluto. Uma verdadeira obra-prima! (Idem. Dirigido por David Gregory. Documentário. 97 min.)

NOTA: 10

17 de out de 2015

82. STILL SCREAMING (2011)

Existem filmes que já se tornam clássicos antes mesmo de serem lançados, independentes de serem bons ou ruins. Mas tem outros que chegam de mansinho, sem fazer muito alarde, e aos poucos vão ganhando popularidade e notoriedade. 'Pânico' é um daqueles filmes que pouca gente deu bola logo que ele estreou, mas quem viu gostou e assim começou o boca a boca. 'Still Screaming' é mais um documentário que aborda os bastidores da trilogia 'Pânico', dirigida pelo mestre Wes Craven. Existe alguns outros especiais feitos para a televisão e as informações acabam sendo bastante repetitivas para quem já assistiu eles. O que me deixou frustrado é que todos estes outros especiais normalmente falavam sobre o primeiro filme, e fiquei bastante animado com este novo documentário por esperar mais informações sobre 'Pânico 2' e 'Pânico 3'. A verdade é que 'Still Screaming' passa metade do tempo falando sobre a primeira parte da trilogia e usa a segunda metade para falar das sequências e o impacto da trilogia no mercado. Apesar disso, o filme se mantem interessante graças a enorme quantidade de curiosidades e histórias interessantes que rodeiam a trilogia. Toda a ideia inicial de 'Pânico', sua polêmica pré-produção, o modo como foi vendido e lançado, e como ele revolucionou o gênero aos poucos, fazem deste documentário um prato cheio para quem gosta de ver um clássico genuíno nascendo. É um longa que poderia explorar mais a trilogia em si, ao invés de manter o foco apenas no primeiro filme, mas ainda assim é um grande entretenimento. (Idem. Dirigido por Ryan Turek. Documentário. 92 min.)

NOTA: 8

15 de out de 2015

81. LOST IN LA MANCHA (2002)

Cinema é algo bastante complicado de se fazer, talvez por isso exista uma enorme quantidade de filmes com problemas na produção. Alguns acabam tendo tantos problemas que são cancelados, como 'The Man Who Killed Don Quixote' do diretor Terry Gilliam. Esta não foi a primeira e também não foi a última produção problemática que o diretor enfrentou, mas certamente foi a que mais marcou sua carreira. Além da equipe de filmagem, tinha também a equipe de making of que estava lá para registrar a produção. Com o cancelamento do filme, as imagens que seriam para o making of acabaram virando um documentário fantástico que aborda em detalhes todos os problemas enfrentados pela produção. Chega a ser inacreditável a quantidade de coisas que eles tiveram que passar, desde temporais até dificuldades com o ator principal. Fica óbvio durante o filme que Gilliam é um cara extremamente criativo, mas com um senso de direção bastante deturpado. Decisões absurdas e a falta de planejamento agravaram dificuldades que poderiam ter sido resolvidas na pré produção. Por exemplo, é inacreditável quem ninguém interviu na contratação do ator principal, visto que ele tinha problemas de saúde que o impediam de andar de cavalo - sendo que o personagem passa 90% do tempo em um cavalo. O documentário ainda apresenta algumas imagens finalizadas do que seria o filme, e chega a ser triste pois as imagens são lindas e tinha tudo pra ser um filmaço. 'Lost in La Mancha' é um registro fantástico de como tudo pode dar errado em uma produção cheia de recursos, mas com uma péssima administração. Todo amante de cinema deveria ser obrigado a ver isto. (Idem. Dirigido por Keith Fulton e Louis Pepe. Documentário. 93 min.)

NOTA: 10

7 de set de 2015

80. BOA NOITE, MAMÃE (2015)

Ultimamente tenho visto diversos filmes de terror que apostam em uma enorme e forte carga dramática, como 'The Babadook'  (2014) e 'Deixe Ela Entrar' (2008). 'Boa Noite Mamãe'  é mais um terror que investe forte nas relações de seus personagens, dando muito mais atenção no desenvolvimento de uma boa história do que na violência ou nos sustos. O roteiro, escrito pelos próprios diretores, consegue criar um mistério bastante intrigante e ao mesmo tempo consegue desenvolver muito bem os personagens. Somos apresentados a Lukas e Elias, dois irmãos gêmeos que suspeitam que sua mãe, na verdade, é uma intrusa. Eles a amarram em uma cama e a partir daí começam uma longa jornada de torturas físicas e psicológicas com o intuito de fazer a verdade aparecer. O filme é recheado de cenas agoniantes e cheias de tensão e suspense, também possui sim uma bela quantidade de violência gráfica, mas não acaba sendo o foco principal. Os dois irmãos estão absurdamente incríveis, com seus rostos angelicais, mas que ao mesmo tempo passam um certo desconforto. Susanne Wuest também está impecável como a Mãe, que não tem seu nome revelado em nenhum momento. 'Boa Noite, Mamãe' é um filme com fortes elementos dramáticos, mas não deixa de ser um terror genuíno. Possui um suspense muito bem construído, personagens interessantes, além de um roteiro escrito com maestria e uma direção forte e bastante certeira. Além disso, possui cenas de violência que vão satisfazer os fãs mais hardcore do gênero. (Ich Seh, Ich Seh. Dirigido por Severin Fiala, Veronika Franz. Com Lukas e Elias Schwarz. Terror. 99 min.)


NOTA: 9

4 de set de 2015

79. 13 PECADOS (2014)

Sempre pensei comigo mesmo que para um filme ser bom, ele não precisa necessariamente ser revolucionário na sua narrativa. Constantemente vejo críticas que basicamente se resumem 'mais do mesmo' ou 'não apresentou nada de novo' e o famoso 'já vi isso antes'. Acho que mais importante do que ter uma boa idéia, é saber trabalhar uma boa idéia. '13 Pecados' não é um filme totalmente original e talvez seja um exemplo perfeito dessa minha opinião. A proposta de colocar um protagonista sendo manipulado a fazer coisas bizarras para se manter vivo e ganhar um 'prêmio' no final já foi muito bem aproveitada em 'Vidas em Jogo' - do David Fincher - e em 'Jogos Mortais'. Eu diria que o longa dirigido por Daniel Stamm fica justamente entre esses dois filmes. Ele não chega a ser apenas um suspense como 'Vidas em Jogo', já que este é cheio de cenas com violência bastante gráficas. Mas também não chega a ser um terror 'torture porn' como 'Jogos Mortais', conseguindo fazer uma mescla e resultando em ótimo suspense com cenas violentamente chocantes. O roteiro é interessante e investe em cenas cada vez mais bizarras e curiosas. Mark Webber está absurdamente incrível no papel principal, sendo - talvez - a melhor coisa do filme. '13 Pecados' é um filme que usa e abusa de ideias já trabalhadas em outros filmes, mas entrega um produto final bastante interessante e com atuações incríveis. (13 Sins. Dirigido por Daniel Stamm. Com Mark Webber. Suspense / Terror. 93 min.)


NOTA: 7.5

23 de ago de 2015

78. SOBRENATURAL: A ORIGEM (2015)

O filme 'Sobrenatural' chegou em 2011 de mansinho e sem fazer muito alarde. Arrecadou quase 100 milhões nas bilheterias e custou míseros $1.5 milhões. Depois de mais 2 filmes em 4 anos, o título já pode ser considerado uma das maiores e melhores franquias do gênero terror. Os 2 primeiros capítulos foram igualmente interessantes e assustadores, e - junto com 'Invocação do Mal' - consolidaram a carreira do diretor James Wan. Neste terceiro capítulo, a direção passa para a mão de Leigh Whannell, roteirista e ator dos filmes anteriores. Já de início é perceptível uma certa mudança de estilo, ou até mesmo a falta dele. 'Sobrenatural' chamou a atenção pela sua estética diferenciada, sua câmera cheia de ângulos inesperados e uma paleta cheia de cores bastante frias, além de uma trilha sonora marcante e assustadora. Nada disso é encontrado neste terceiro filme, sendo esses os poucos pontos negativos. Por outro lado, o roteiro é muito bem escrito e com personagens interessantes. No 1º tínhamos um menino em coma, no 2º um homem possuído, e nesse temos uma protagonista totalmente imobilizada, porém ciente de tudo que está acontecendo ao redor dela. A ideia de fazer uma prequel não é totalmente nova, mas trazer basicamente o mesmo elenco dos filmes anteriores é algo que não se vê todo dia, e isso é o que dá o tom de familiaridade ao filme. 'Sobrenatural: A Origem' é uma grata surpresa, um filme que tinha tudo para dar errado mas acabou sendo um divertido filme de terror, cheio de sustos e com um roteiro interessante. Está longe de ser um filme perfeito, mas está muito mais longe de ser um filme ruim. E que venham mais capítulos da série 'Insidious'. (Insidious: Chapter 3. Dirigido por Leigh Whannell. Com Lin Shaye. Terror. 97 min.)

NOTA: 8

9 de ago de 2015

77. POLTERGEIST - O FENÔMENO (2015)

Nunca fiz parte do time que abomina remakes, na verdade sempre apoiei - mesmo que sejam ruins. Alguns dizem que "o remake vai estragar o original" mas, na verdade, o filme original vai continuar exatamente como ele é. Talvez até fique melhor caso o remake acabe sendo uma merda, como no caso de 'Poltergeist'. Não era necessariamente um filme que eu estava esperando algo acima da média, mas ao menos um pouco de diversão seria bem-vinda, visto que o enredo do filme permite isso. Ao invés disso, esse acaba sendo aquele tipo de remake preguiçoso, que se preocupa em atualizar e encher o filme de efeitos especiais, ao invés de se preocupar em contar uma boa história. 'Sobrenatural' (Insidious, 2010) pode ser considerado um remake muito mais a altura do longa de 1982, já que ambos possuem a mesma estrutura e semelhanças óbvias. Infelizmente, o remake oficial do longa dirigido por Tobe Hooper acaba sendo um filme nada memorável. Os personagens são fracos e sem nenhum carisma. Nem mesmo as crianças estão bem no filme, algo que era essencial no original, já que sem a incrível atuação de Heather O'Rourke, o filme não seria metade do que foi. Nesse remake Kennedi Clements até tenta (e consegue em alguns poucos momentos), mas o roteiro fraco e a direção preguiçosa não deixam. É um filme mais preocupado com a arrecadação do final de semana de estréia, consequentemente vai ser esquecido rapidinho. (Poltergeist. Dirigido por Gil Kenan. Com Sam Rockwell. 93 min. Terror.)

NOTA: 3

18 de jul de 2015

76. HOMEM-FORMIGA (2015)

Se passaram apenas 7 anos desde o lançamento de seu primeiro filme e a Marvel Studios já construiu um universo enorme incluindo filmes, series de TV e curta-metragens. 'Homem-Formiga' já é o 12º longa produzido pelo estúdio e é bom ver que, apesar da fórmula ser sempre a mesma, eles sempre reaproveitam ela de formas extremamente diferentes. O filme conta a clássica jornada do heroi, exatamente nos mesmos moldes de 'Homem de Ferro', 'Capitão América', entre outros. A diferença é que este filme prova que menos é mais. Com uma direção certeira de Peyton Reed, o filme nos apresenta Scott Lang, um ladrão que acaba roubando uma roupa estranha da casa de Hank Pym, um cientista a procura de um pupilo. A partir daí o filme engata cenas de ação incríveis em um scope absurdamente enorme e ao mesmo tempo intimista. Temos uma grande variedade de cenas altamente criativas, principalmente quando o personagem Scott Lang está aprendendo a lidar com a roupa. O vilão Jaqueta Amarela é bastante fraco mas o filme está ciente disto, tanto que os problemas com ele são resolvidos de maneira bastante fácil e sem muita dificuldade. Nada de destruição de cidades, nem altas perseguições de carros. O filme se mantém interessante e curioso justamente por usar cenários inusitados como pano de fundo para as cenas de ação e pela relação bem construída entre os personagens. 'Homem-Formiga' não é o filme do ano, mas certamente é um dos mais divertidos. Um produto com a cara da Marvel e recheado de referências, do jeito que os fãs gostam. (Ant-Man. Dirigido por Peyton Reed. Com Paul Rudd. Aventura. 117 min.)

NOTA: 8

17 de jul de 2015

75. A RATINHA VALENTE (1982)

1982 foi um grande ano para o cinema, trazendo enormes clássicos como 'Mad Max 2', 'Star Trek II: A Ira de Khan', 'Poltergeist' e 'E.T. - O Extraterrestre'. Já no ramo das animações, os anos 70 e início dos 80 foram extremamente difíceis. A Disney estava em crise e tinham poucos outros estúdios criando filmes animados na época. 'A Ratinha Valente' foi o primeiro longa dirigido por Don Bluth, que mais tarde nos presentearia com jovens clássicos como 'Em Busca do Vale Encantado', 'Um Conto Americano' e 'Anastasia'. Tendo em vista o contexto histórico, mais a inexperiência de Don Bluth na direção, chega a ser inacreditável que 'A Ratinha Valente' tenha saído um filme tão incrível. Narrativamente ele é bastante básico e segue a formula da jornada do herói do início ao fim. Mesmo assim a história é cheia de emoção genuína e com momentos extremamente inquietantes. Junto a isso temos aqui um dos visuais mais fantásticos que já vi em uma animação. Os cenários são grandiosos e cheios de detalhes, recheados de cores vibrantes e muito variadas. Além disso, a animação dos personagens é um dos melhores trabalhos que já vi em filmes feitos com a clássica técnica a mão. Eu poderia ficar horas aqui debatendo sobre os motivos que me fizeram ficar tão empolgado com este filme. Por uns 3 anos ele ficou parado na minha coleção de DVDs e hoje - finalmente! - eu peguei ele pra ver e fiquei bastante impressionado. Certamente é um filme que não vai ficar mais parado na estante, já que ele merece ser visto e revisto diversas vezes. (The Secret of Nimh. Dirigido por Don Bluth. Aventura. 82 min.)

NOTA: 9

16 de jul de 2015

74. T3: A REBELIÃO DAS MÁQUINAS (2003)

Após ver 'O Exterminador do Futuro: Gênesis' decidi revisitar todos os outros capítulos da saga e acabei tendo uma grata surpresa com o terceiro filme. 'A Rebelião das Máquinas' se passa quase 10 anos após os acontecimentos do segundo filme, mostrando - novamente - John Connor sendo perseguido por um robô do futuro. Na verdade a trama deste terceiro filme pega muitas coisas emprestadas do longa dirigido por James Cameron. O filme segue basicamente a mesma fórmula, inclusive apresentando cenas de ação que se assemelham - e muito! - com algumas mostradas no segundo filme. Assim como em 'T2', aqui temos uma perseguição envolvendo um caminhão e uma moto, temos um enorme tiroteio contra carros da polícia, têm também a pausa para descanso no deserto, entre outros. Tudo é executado de forma bastante convincente, já que em nenhum momento o filme tenta ser melhor do que seu antecessor, mas sim uma continuação - no mínimo - decente. Nick Stahl impressiona como John Connor, sendo um dos melhores a interpretá-lo. Arnold Schwarzenegger é um cara bastante carismático e que chama a atenção quando está em tela. Talvez faltou uma certa humanização do personagem, algo que funcionou muito bem no filme anterior. Ultimamente ando vendo várias pessoas comentando que apenas os 2 primeiros longas prestam. Eu sempre estranhei isso, pois lembro de ter tido uma experiência positiva com 'T3'. Este foi um dos principais motivos de eu revisitar este filme, e no fim acabei  achando melhor que eu esperava. Possui alguns problemas no seu terceiro ato extremamente barulhento, mas no geral é um ótimo filme de ação e uma sequência que faz jus ao filme anterior. (Terminator 3: Rise of the Machines. Dirigido por Jonathan Mostow. Com Arnold Schwarzenegger. Ação. 109 min.)

NOTA: 8

15 de jul de 2015

73. DARKMAN - VINGANÇA SEM ROSTO (1990)

Sou um enorme admirador do trabalho de Sam Raimi. Criou clássicos instantâneos como trilogia de 'A Morte do Demônio' e os 2 primeiros 'Homem-Aranha'. Além disso, dirigiu 'Arraste-Me Para o Inferno' (um dos filmes de terror que mais gosto) e o divertido 'Oz - Mágico e Poderoso'. É uma carreira bastante diversificada, mas é incrível como todos os filmes possuem uma forte assinatura do diretor. Por incrível que pareça, eu nunca tinha visto 'Darkman'... até hoje. Foi um filme que me impressionou bastante, principalmente por ser o título em que o estilo Sam Raimi esteve mais forte. Já pelo poster nota-se um forte apelo visual, algo trabalhado de maneira bastante curiosa pelo diretor. A edição é bastante inventiva, a fotografia é cheia de ângulos e luzes curiosas, além de movimentos de câmera malucos e totalmente fiéis à alma de Sam Raimi. Além disso, a mistura dos efeitos práticos com efeitos digitais ajudam a criar um visual que lembra bastante revistas em quadrinhos por diversas vezes. Essa ideia de lembrar uma história em quadrinhos é bastante reforçada quando notamos uma interpretação bastante teatral e exagerada (no melhor sentido da palavra) do elenco, principalmente Liam Neeson no papel principal. São atuações por vezes cartunescas e que precisam de um forte apelo visual para que funcionem de acordo com a narrativa, mas no fim tudo funciona em perfeita harmonia. Sam Raimi criou um clássico instantâneo, com um visual arrebatador e uma narrativa muito bem construída e cheia de camadas que dão espaço para diversas discussões sobre assuntos variados. (Darkman. Dirigido por Sam Raimi. Com Liam Neeson. Ação. 95 min.)

NOTA: 9

14 de jul de 2015

72. CIDADES DE PAPEL (2015)

Ano passado o romance 'A Culpa é das Estrelas', baseado no livro de John Green, arrecadou mais de $300 milhões nas bilheterias. Algo bastante impressionante para um filme que custou apenas $12 milhões para ser feito. E não demorou muito para que outro trabalho do escritor John Green recebesse luz verde para ser produzido. 'Cidades de Papel' é baseado no livro escrito em 2008 (quatro anos antes de 'A Culpa é das Estrelas') e, apesar de ser vendido como um romance, o filme acaba retratando muito mais relações de amizade do que um romance em si. Claro que existe um garoto que se apaixona por uma garota, mas a essência e o foco da história está em como o personagem principal se relaciona com seus amigos. Este garoto é interpretado por Nat Wolff, em uma interpretação adorável e muito bem construída. Cara Delevigne também está ótima no papel da garota misteriosa que serve como McGuffin do filme. Além disso têm o elenco coadjuvante, com destaque para Austin Abrams que dá um show de carisma e rouba a cena toda vez que aparece em tela. Apesar de se apoiar no sucesso de 'A Culpa é das Estrelas', este filme se assemelha muito mais com 'As Vantagens de Ser Invisível' em termos de narrativa e estilo. 'Cidades de Papel' é uma ótima comédia, com uma pitada de romance e fortes elementos de um road movie. Uma mistura que deu bastante certo, apesar dos pequenos problemas na edição, que deixaram o filme um pouco lento durante sua segunda metade. Mas nada que prejudique a experiência. (Paper Towns. Dirigido por Jake Shreier. Com Nat Wolff e Cara Delevigne. Drama / Comédia. 108 min.)


NOTA: 7

13 de jul de 2015

71. NOITE SEM FIM (2015)

Liam Neeson iniciou sua carreira em Hollywood ao final dos anos 70, fazendo inúmeros filmes de gêneros bastante diferentes. Mas foi ao final dos anos 2000 que o ator começou a ganhar enorme destaque, principalmente por se tornar um dos principais astros de filmes de ação. Após 'Busca Implacável', o ator se meteu em diversos filmes do mesmo estilo, com destaque para 'Sem Escalas' (Non-Stop, 2014). 'Noite Sem Fim' estreou apenas 2 meses após o terceiro capítulo da série 'Busca Implacável' e, obviamente, não teve o retorno financeiro esperado. Por outro lado, este é um filme muito melhor que as 2 sequências da série que jogou ele nesse gênero. Dirigido por Jaume Collet-Serra (o mesmo de 'Sem Escalas' e 'Desconhecido - ambos protagonizados por Liam Neeson), o filme apresenta uma premissa interessante e tem seu desenvolvimento relativamente decente, com algumas boas revira-voltas e cenas violentas em momentos inesperados. O filme pega emprestado muita coisa de 'Busca Implacável' e até mesmo o personagem parece o mesmo. Apesar do roteiro fraco, o filme possui um visual incrível, cheio de cenas com um jogo de câmeras muito bem coreografados. Em nenhum momentos temos a famosa câmera tremida, sendo possível entender tudo o que está acontecendo em tela. 'Noite Sem Fim' tem seus problemas e poderia ser bem mais curto e direto. Por outro lado, é um filme de ação decente e que acaba sendo muito melhor que as sequências de 'Busca Implacável'. (Run All Night. Dirigido por Jaume Collet-Serra. Com Liam Neeson. Ação. 114 min.)

NOTA: 6

12 de jul de 2015

70. TOMORROWLAND: UM LUGAR ONDE NADA É IMPOSSÍVEL (2015)

Brad Bird é um dos diretores que mais admiro. Comandou a incrível animação 'O Gigante de Ferro' (Iron Giant, 1999) para a Warner e depois dirigiu alguns dos filmes mais autênticos da Pixar: 'Os Incríveis' (The Incredibles, 2004) e 'Ratatouille' (Idem, 2007). Além disso, foi o responsável pelo melhor capítulo - na minha opinião - da série 'Missão: Impossível'. Bird co-escreveu o roteiro de 'Tomorrowland' junto com Damon Lindelof (um dos principais responsáveis pelo seriado 'Lost'). A premissa é bastante interessante e cheia de potencial para um desenvolvimento diferente do normal. Os dois primeiros atos do filme são muito bem construídos, criando um mistério intrigante e visualmente deslumbrante. Apesar de seguir à risca a fórmula da jornada do herói, o filme possui algumas surpresas, mas nada muito original. O que é uma pena, visto que as pessoas envolvidas com este filme vieram de diversos projetos famosos por sua originalidade. 'Tomorrowland' escorrega bonito em seu terceiro ato, com uma demorada cena de ação recheada de clichês que não condizem com a ideia criativa apresentada no início. Vejo que isso é um problema recorrente em diversos títulos, já que são poucos os que conseguem manter uma harmonia durante toda a projeção. Muitos apresentam uma ideia interessante, mas poucos conseguem desenvolver essa ideia de maneira satisfatória. A conclusão de 'Tomorrowland' pode não condizer com o resto do filme, mas não chega a estragar a experiência. Os dois primeiros atos são bem elaborados e extremamente divertidos. Não chega a ser uma queda na carreira de Brad Bird, mas é um belo tropeço. (Tomorrowland. Dirigido por Brad Bird. Com George Clooney. Aventura. 130 min.)

NOTA: 6.5

9 de jul de 2015

69. RE-ANIMATOR (1985)

Certamente os anos 80 foram marcados por alguns dos melhores filmes de terror que existe. Cheios de humor, violência e - principalmente - criatividade, o cinema de horror dessa década gerou diversos sucessos de bilheteria como 'A Hora do Pesadelo', 'Brinquedo Assassino' e 'Poltergeist'. 'Re-Animator' não faz parte dessa lista, mas talvez seja um filme tão bom quanto (ou melhor) que aqueles citados acima. Baseado no conto do escritor H. P. Lovecraft, o filme basicamente reconta o mito de Frankenstein ao mostrar um estudante de medicina buscando a cura para a morte. Dirigido por Stuart Gordon, é impressionante como o filme têm um ritmo extremamente ágil e rápido. Quando você menos espera, o filme acabou. Tá certo que a duração é de apenas 86 minutos, mas mesmo assim, a narrativa se mantém interessante durante todo o tempo. Jeffrey Combs está absurdamente fantástico no papel de Herbert West, assim como David Gale como seu rival. O roteiro - escrito á 3 mãos - adiciona alguns personagens que não existem no conto, e recheiam a história com diversas cenas de terror completamente surtadas. 'Re-Animator' é literalmente surpreendente, já que a cada 10 minutos somos surpreendidos com algo totalmente inesperado. Além disso um filme tem uma rápida sucessão de acontecimentos, dando uma forte agilidade à narrativa e - junto com a edição fantástica - fazendo o filme ter um ritmo bastante diferente da maioria do que era visto na época. 'Re-Animator' é relativamente pouco conhecido e raramente aparece em listas de clássicos do terror (que normalmente são preenchidas com filmes de grande sucesso nas bilheterias), mas certamente é um dos filmes essenciais para quem aprecia o gênero! (Re-Animator. Dirigido por Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs. Terror. 86 min.)

NOTA: 9.5

8 de jul de 2015

68. CORRENTE DO MAL (2015)

Desde sempre o gênero terror foi bastante menosprezado. Não é todo dia que aparece um fenômeno como 'Invocação do Mal', que arrecadou mais de $300 milhões nas bilheterias. 'Corrente do Mal' arrecadou fracos $17 milhões, mas isso já era esperado visto que este é um filme bastante diferente e que foge de todas as regras básicas de um filme de terror. Não chega a ser uma ideia totalmente original, mas é uma ideia muito bem trabalhada. 'Corrente do Mal' é um filme-conceito. Ele nos apresenta um conceito e não chega a desenvolvê-lo muito, mas trabalha ele de diversas maneiras. Uma mais interessante que outra. Resumindo, o filme conta a história de uma garota que acaba 'contraindo' uma maldição após fazer sexo com um garoto. Algumas regras básicas são estabelecidas - como toda maldição - e a partir daí, as consequências disso são mostradas em uma sucessão de cenas extremamente assustadoras e agoniantes que priorizam a junção mágica de uma ótima trilha sonora com imagens impactantes, sem necessariamente haver violência nelas. O roteiro é brilhante ao fazer uma crítica ao sexo desprotegido e  também deixar um enorme espaço aberto para discussão sobre a maldição em si. Talvez isso incomode muita gente e, sinceramente, uma pequena parte de mim gostaria de ver algo menos abstrato. Mas grande parte de mim prefere o mistério, já que histórias redondinhas e cheias de explicação é o que mais têm por aí. 'Corrente do Mal' tem um ritmo diferente, um estilo bastante autêntico, e uma trilha sonora fantástica. Um filme que pode não agradar a todos, mas que certamente se destaca daquilo que estamos acostumados a ver. (It Follows. Dirigido por David Robert Mitchell. Com Maika Monroe. Terror. 100 min.)

NOTA: 9

7 de jul de 2015

67. O EXTERMINADOR DO FUTURO: GÊNESIS (2015)

Este tem sido um ano bastante nostálgico para o cinema. 'Mad Max', 'Jurassic Park' e 'Star Wars' são alguns dos títulos que estão voltando aos cinemas este ano, junto com mais um capítulo de 'O Exterminador do Futuro'. É uma pena que o retorno do T-800 não seja tão divertido quanto o de Max ou o T-Rex. 'Gênesis' pega emprestado a trama do 'Star Trek' de 2009, brincando com viagens no tempo e linhas narrativas alternativas. Durante a primeira hora de filme é realmente interessante como eles brincam com isso e fazem diversas referências diretas aos 2 primeiros capítulos. Já na segunda metade, o filme acaba se perdendo em meio a excessivas explicações desnecessárias. É a nova mania de Hollywood, executar uma ideia de modo que ela pareça mais complicada do que realmente é. Eu li diversos comentários negativos a respeito dos trailers e consegui fugir deles, o que certamente favoreceu a minha experiência com este filme. O elenco todo está ok, nada que comprometa o filme. Arnold Schwarzenegger está - obviamente - se divertindo horrores no papel, e isso deixa o filme muito mais divertido quando ele está em tela. Infelizmente a direção fraca e o roteiro recheado de furos absurdos, enfraquece (e MUITO!) o filme. Por outro lado, a primeira metade é interessante o bastante para salvar este quínto capítulo. Um filme fraco, mas que não chega a ser o desastre absoluto que muitos dizem por aí. (Terminator: GenIsys. Dirigido por Alan Taylor. Com Arnold Schwarzenegger. Ação. 126 min.)

NOTA: 6

26 de jun de 2015

66. JURASSIC WORLD: MUNDO DOS DINOSSAUROS (2015)

'Jurassic Park' estreou há mais de 20 anos, nos apresentando um universo com muito potencial para possíveis sequências. Incrivelmente nem mesmo Steven Spielberg conseguiu replicar o que havia criado em 93 quando lançou - 4 anos mais tarde - 'O Mundo Perdido' (The Lost World, 1997). Alguns anos mais tarde tivemos um 3º capítulo igualmente fraco e esquecível. 14 anos depois do último filme, somos reapresentados a esse universo de maneira bastante satisfatória. Dessa vez o parque está aberto, uma ideia que por si só já é bastante interessante. Dessa vez também temos dinossauros geneticamente modificados, incluindo uma enorme criatura que fugiu totalmente dos planos dos cientistas. A partir daí o filme engata cena de ação após cena de ação, quase todas remetendo à uma rima visual com o primeiro filme. O elenco está ok, não compromete nem engrandece o filme. O roteiro tem idéias interessantes, mas muito mal aproveitadas. A direção é genérica e fica bastante claro que este é um filme de produtor/estúdio. Felizmente a Universal sabia o que estava fazendo e o produto final é um filme de ação muito divertido e recheada de cenas de ação empolgantes. Poderia ter sido uma experiência mais agradável caso eu não tivesse assistido aos trailers nem visto os posters do filme. Algumas cenas-chave que poderiam causar grande impacto perderam totalmente sua força devido à excessiva esposição das mesmas nas semanas que precederam o lançamento do filme. 'Jurassic World' é um filme que segue à risca a fórmula do sucesso. Pelo menos a fórmula foi bem executada. (Jurassic World. Dirigido por Colin Trevorrow. Com Chris Pratt e Bryce Dallas Howard. Aventura. 124 min.)


NOTA: 7.5

25 de jun de 2015

65. DIVERTIDA MENTE (2015)

O último filme da Pixar que realmente mexeu comigo foi 'Toy Story 3', lançado em 2010. Logo após veio 'Carros 2', um filme tão horroroso que merecia ser deletado da filmografia da Pixar. Depois tivemos 'Valente' e 'Universidade Monstros', dois filmes visualmente incríveis, mas narrativamente rasos. 'Divertida Mente' é o tipo de projeto que gerou diversas dúvidas desde seu anúncio. Felizmente o filme não é apenas o retorno da Pixar à boa forma, mas sim um dos melhores filmes que a empresa já produziu. O roteiro possui uma sacada intelectualmente fantástica, e que poderia ter sido visualmente desastrosa. Mas o modo com tudo é explicado, como aquele universo é criado e desenvolvido é algo realmente emocionante. Por diversas vezes me peguei emocionado não só pelo conteúdo narrativo, mas pelo como essa narrativa estava sendo transposta para a tela. O visual do filme é absurdamente fantástico e eu realmente gostaria de ver a direção de arte indicada ao Oscar de 2016. Além disso, os personagens são extremamente carismáticos e todos tem um conceito bastante claro e desenvolvimentos interessantes. Michael Giacchino volta pela 5ª vez e cria - mais uma vez - uma trilha sonora marcante e cheia de temas memoráveis. Eu poderia ficar horas aqui escrevendo sobre como o filme superou todas as minhas expectativas. O roteiro do filme é um dos trabalhos mais originais que já vi e seu senso de humor é delicioso. Talvez o filme agrade muito mais aos adultos do que as crianças, já que os pequenos não possuem a bagagem necessária pra captar todas as nuances que 'Divertida Mente' explora. Certamente o projeto mais maduro da Pixar. Um filme essencial! (Inside Out. Dirigido por Pete Docter. Com Amy Poehler. Aventura. 94 min.)

NOTA: 10

24 de jun de 2015

64. EX MACHINA (2015)

É interessante notar que as vezes surge pequenos filmes de ficção científica, normalmente com orçamentos baixos e pouco conhecidos do grande público. 'Ex Machina' é um filme britânico que custou míseros $15 milhões, mas o que é visto na tela parece ser uma superprodução vinda direto de Hollywood. O diretor estreante Alex Garland também escreveu o roteiro, e apesar de ser ficção científica pura quanto ao seus temas, o filme possui fortes elementos de suspense. Além disso, a história é contada 99,9% dentro de uma casa e parece ser ambientado nos dias de hoje. Algo bastante diferente do que é visto em filmes do mesmo gênero. Não vou dar detalhes sobre a trama e sugiro que não vejam os trailers. Caí neste filme sem saber absolutamente nada, e quanto mais a história se desenvolvia, mais vidrado e nervoso eu ficava. Tecnicamente o filme é perfeito. A fotografia é linda, cheia de ângulos e cores em perfeita harmonia. O som e - principalmente - a trilha sonora, deixam o filme com uma suavidade deliciosa e também - quando necessário - sugerem uma tensão extremamente inquietante. 'Ex Machina' é uma ficção científica muito interessante, com um visual incrível e cheio de atuações fortes e marcantes. O roteiro é muito bem construído e com personagens cativantes. Um filme que provavelmente passará despercebido por muitas pessoas, mas que merece - E MUITO!!! - uma atenção. Um dos melhores do ano. (Ex Machina. Dirigido por  Alex Garland. Com Domhnall Gleeson, Alicia Vikander e Oscar Isaac. Ficção Científica. 108 min.)

NOTA: 9.5

23 de jun de 2015

63. MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA (2015)

Todo ano são lançados diversos blockbusters de ação, mas poucos são aqueles que trazem algo novo e revolucionam o gênero ao fazer isso. 'Mad Max: Estrada da Fúria' não é uma continuação, nem um prequel, mas se passa no mesmo universo dos filmes antigos - mesmo que esse universo seja representado de maneira extremamente diferente neste novo filme. Dirigido por George Miller (mesmo diretor da tirlogia original), este talvez seja o filme de ação mais frenético que ja assisti. Durante as rápidas 2 horas, somos jogados em cena de ação após cena de ação, com poucos segundos de respiro entre elas. O mais incrível é que uma história bastante poderosa está sendo contada em meio à toda essa loucura. Escassez da água, antropologia e principalmente feminismo são alguns dos temas mais fortes abordados neste filme. O modo como eles tratam o poder da figura feminina, sem parecer didático ou piegas é algo realmente fantástico. Charlize Theron está absolutamente incrível no papel da Imperator Furiosa (Imperador no masculino mesmo), uma mulher determinada a salvar as escravas sexuais de Immortan Joe. Tom Hardy está ótimo como Max que, apesar de quieto, tem uma personalidade bastante forte. Além disso, o elenco coadjuvante também da um show, retratando personagens muito bem construídos e desenvolvidos. 'Mad Max: Estrada da Fúria' é um filme que vai ficar na cabeça por um bom tempo, e certamente servirá como modelo para os próximos filmes do mesmo gênero que desejam tentar algo arriscado. Um filme visualmente deslumbrante e tematicamente arrebatador!!! (Mad Max: Fury Road. Dirigido por George Miller. Com Charlize Theron e Tom Hardy. Ação. 120 min.)

NOTA: 10

7 de jun de 2015

62. AS AVENTURAS DE PADDINGTON (2014)

Baseado no personagem criado pelo escritor Michael Bond, 'As Aventuras de Paddington' é um filme britânico que recebeu um lançamento extremamente fraco aqui no Brasil, mas que merece atenção. Disponível no Netflix, o filme conta a história do urso falante, desde sua vida na floresta até encontrar a os Brown, que acolhem ele como parte da família. A partir daí se inicia uma sucessão de cenas mostrando o urso se atrapalhando ao tentar entrar no estilo de vida dos humanos. Falando assim até parece algo clichê, repetitivo e sem originalidade. Mas a verdade é que 'As Aventuras de Paddington' faz jus ao título e realmente as cenas são construídas como se fizessem parte de uma enorme aventura, guardando espaço - ainda - para um forte desenvolvimento de personagens, graças ao roteiro esperto (e que foi indicado ao BAFTA de Melhor Roteiro Adaptado). Além disso, o personagem principal é totalmente criado em computação gráfica, o que dá uma certa liberdade para exagerar nas desventuras em que ele acaba se envolvendo. Apesar do terceiro ato não ser tão legal quanto o resto do filme, 'As Aventuras de Paddington' é um filme adorável, muito bem realizado e com um personagem-título extremamente carísmatico. O típico filme perfeito pra ser visto em família. (Paddington. Dirigido por Paul King. Com Ben Wishaw. Comédia. 95 min.)

NOTA: 8

6 de jun de 2015

61. ELES VIVEM (1988)

John Carpenter é um cara famoso pelos filmes errados. Embora eu aprecie - e MUITO! - filmes como 'Halloween' (Idem, 1978), 'Fuga de Nova York' (Escape From New York, 1981) e 'O Enigma de Outro Mundo' (The Thing, 1982), devo admitir que aprecio muito mais seu trabalho em projetos menos conhecidos como 'À Beira Da Loucura' (In The Mouth of Madness, 1995) e este 'Eles Vivem' (They Live, 1998). Ele está presente no box 'Clássicos do Sci-Fi' lançado pela distribuidora Versátil, em uma embalagem linda, com a qualidade de imagem impecável e recheado de extras sobre o filme. A trama por si só é bastante interessante. Um homem encontra um óculos e após usá-lo ele enxerga a verdadeira realidade do mundo em que vivemos. O roteiro, escrito pelo próprio Carpenter, é cheio de críticas sociais, algo que talvez funcione ainda melhor nos dias de hoje. Recheado de cenas interessantes, o filme investe em diálogos interessantes, cenas de ação muito bem coreografadas e um tom de suspense presente o tempo inteiro. John Carpenter criou um de seus trabalhos mais inventivos, cheio de metáforas e camadas. Um filme obrigatório. (They Live. Dirigido por John Carpenter. Com Roddy Piper. Ficção Científica. 94 min.)

NOTA: 9

5 de jun de 2015

60. PHILOMENA (2013)

Não sei por que demorei tanto pra assistir esse filme. Desde o início me chamou a atenção, mas sempre acabei deixando ele de lado na hora de escolher algo para assistir. Antes tarde do que nunca! 'Philomena' conta a história de uma mãe que anos após ter tido seu filho tirado dos seus braços, decide procurá-lo. Claro que a história não é tão simples assim, apenas resumi desse jeito pra evitar spoilers. É um filme extremamente delicioso de se assistir, com fortes pitadas de humor e um drama muito bem construído. O roteiro investe na relação de Philomena - interpretada pela incrível Judi Dench - e Martin, um jornalista em busca de uma boa história pra contar. Recheado de revira-voltas interessantes, o roteiro é muito bem escrito e sabe a hora certa de investir no humor. Apesar da trama ser, no geral, um forte drama, o filme é dirigido com uma suavidade difícil de encontrar em outros filmes. Judi Dench está incrível no papel-título, pelo qual recebeu uma indicação mais que merecida ao Oscar. 'Philomena' é um filme muito gostoso de se assistir, com um roteiro cheio de diálogos fortes e atuações deliciosamente cativantes! (Idem. Dirigido por Stephen Frears, Com Judi Dench. Drama / Comédia. 98 min.)

NOTA: 10

4 de jun de 2015

59. VELOZES E FURIOSOS 7 (2015)

Geralmente séries cinematográficas tendem a piorar com o lançamento de novos filmes, ainda mais quando se estendem por diversos capítulos. Além disso, a maioria dos filmes com sérios problemas na produção acabam gerando produções fracas e problemáticas. 'Velozes e Furiosos 7' tinha tudo para dar errado já que faz parte de uma série com 6 episódios até então, além de perder seu ator principal em um acidente de carro (!!!). Incrivelmente o resultado final acabou sendo extremamente positivo, já que este sétimo filme certamente é o melhor da franquia. Novamente investindo em um enredo diferente, desta vez vemos a 'família' de Dominic Toretto ser ameaçada pelo irmão do vilão do ´filme anterior. Deckard Shaw, interpretado por Jason Statham, vai atrás de um por um com a finalidade de vingar a morte do irmão. Extremamente bem editado, 'Velozes e Furiosos 7' nos deixa preso na narrativa durante seus quase 140 minutos. Se no sexto filme a longa duração o prejudicou um pouco, neste capítulo tudo está em perfeita harmonia. Apesar de várias e longas cenas de ação, o roteiro sabe os momentos certos para dar um descanso além de criar cenas bastante tensas, já que dessa vez são eles que estão sendo 'caçados' ao invés de irem atrás de algum criminoso. Por termos perdido Paul Walker durante as filmagens deste filme, estava óbvio que esta seria sua última participação na série e o modo como eles lidam com isso é incrível. Em diversos momentos o personagem Brian é colocado em perigo, sugerindo uma tensão que pode - ou não - acarretar na morte do personagem. Ao fim, 'Velozes e Furiosos' se mostra um excelente filme de ação, certamente o melhor da série e com um final absurdamente emocionante e honesto com a importância que Paul Walker teve para a franquia. É divertido, cheio de absurdos, e vai fazer muito marmanjo chorar nos seus minutos finais. (Furious 7. Dirigido por James Wan. Com Paul Walker e Vin Diesel. Ação. 137 min.)


NOTA: 8

3 de jun de 2015

58. VELOZES E FURIOSOS 6 (2013)

Após a excelente recepção de 'Operação Rio', o sexto capítulo da série 'Velozes e Furiosos' teria que ralar bastante pra alcançar o mesmo nível do último filme. Felizmente isso acontece. Trazendo todo elenco de volta, incluindo Dwayne Johnson e Michelle Rodriguez (após ter sido "morta" em 'Velozes e Furiosos 4'), o filme surpreende por novamente mudar o estilo da narrativa e colocar os personagens em uma trama policial. Desta vez, o personagem Hobbs (vivido por Dwayne Johnson), decide pedir a ajuda de Dominic Toretto e sua 'família' para resolver uns problemas. A partir daí o filme inicia uma série de cenas de ação incrivelmente bem construídas e coreografadas. Talvez um dos poucos problemas do filme seja sua duração - 130 minutos - já que em certos momentos ele parece ser um pouco cansativo. Não é nada que incomode, mas uns 20 ou 30 minutos a menos poderiam ter deixado o filme mais ágil. Com a expectativa alta depois do quinto filme, a série 'Velozes e Furiosos' entregou um sexto capítulo á altura do que tinha sido apresentado anteriormente. Pode pecar um pouco no ritmo, mas ainda assim é um grande filme de ação, mostrando que a série ainda tem muito a mostrar. (Furious 6. Dirigido por Justin Lin. Com Paul Walker, Vin Diesel e Dwayne Johnson. Ação. 130 min.)

NOTA: 7.5

25 de mai de 2015

57. VELOZES E FURIOSOS 5 - OPERAÇÃO RIO (2011)

Algo deve ter acontecido nos bastidores após o quarto filme da série 'Velozes e Furiosos' e isso fica evidente a partir deste quinto filme. Novamente trazendo Paul Walker, Vin Diesel e companhia, o filme abandona as corridas de rua e investe numa trama sobre roubos de carros. Além disso, o longa dirigido por Justin Lin (voltando após os filmes 3 e 4) abraça com carinho o absurdo, transformando toda a ação surreal em puro divertimento. A química entre o elenco certamente é a mais forte até então, e a chegada de Dwayne Johnson reforça isso. Não há muito o que esperar de um filme desses além de ação, carros, mulheres, hip hop e explosões, mas 'Operação Rio' consegue combinar tudo isso na medida certa com uma trama cativante e bem mais interessante daquelas apresentadas anteriormente. 'Velozes e Furiosos 5' serve quase como um reboot. Mantém o mesmo elenco (com algumas adições), porém recria a fórmula da série mudando totalmente o tom da ação.  Abraçando o absurdo desde sua primeira cena até a última 'Operação Rio' é uma agradável surpresa. (Fast Five. Dirigido por Justin Lin. Com Vin Diesel, Paul Walker e Dwayne Johnson. Ação. 130 min.)

NOTA: 7.5

29 de abr de 2015

56. A NOITE DOS ARREPIOS (1986)

Fred Dekker é um diretor cuja carreira, apesar de curta, é recheada de pequenos tesouros. Dirigiu  e escreveu 'Deu A Louca Nos Monstros' (Monster Squad, 1987) e 'Robocop 3' (1993), além de episódios das séries 'Tales From The Crypt' e 'Star Trek: Enterprise'. Seu primeiro trabalho como diretor foi em 'A Noite dos Arrepios', filme que está presente no disco 3 do box 'Zumbis no Cinema', lançado pela Versátil Home Video. Esse tipo de filme raramente é lançado aqui no Brasil, então quando acontece vale a pena ressaltar. Misturando zumbis com fortes elementos sci-fi dos anos 50, o filme presta uma enorme homenagem aos filmes dessa época ao recriar diversos clichês de forma criativa. O roteiro, escrito pelo próprio Dekker, é cheio de personagens divertidos, cativantes e - principalmente - recheado de camadas. A narrativa se desenvolve de maneira extremamente divertida. Além disso o excelente senso de humor consegue manter o filme num clima bastante alegre sem parecer uma paródia, algo bastante difícil para um filme que quer tirar graça daquilo que está homenageando. É uma pena que um filme como este, com personagens incríveis e um ótimo gancho no final, não recebeu nenhuma sequência. Enquanto isso, diversos outros filmes da época de qualidade duvidosa, acabaram recebendo muitas continuações. 'A Noite dos Arrepios' é um filme de terror extremamente divertido, com um roteiro quase perfeito e um visual cheio de efeitos especiais práticos muito bem realizados. Certamente merece ser visto e revisto! (Night of the Creeps. Dirigido por Fred Dekker. Com Jason Lively e Tom Atkins. Terror. 90 min.)

NOTA: 9.5

23 de abr de 2015

55. VINGADORES - ERA DE ULTRON (2015)

Finalmente chegou aos cinemas 'Vingadores - Era de Ultron', filme que juntou muita expectativa ao longo dos últimos 3 anos. Felizmente Joss Whedon entregou um filme tão bom quanto o anterior, porém muito mais surtado. O filme já começa com um plano-sequência fantástico, mostrando todos os heróis em uma cena de ação perfeitamente coreografada e com movimentos de câmera surreais. O roteiro - escrito pelo próprio Joss Whedon - merece destaque por criar uma história cheia de subtextos intrigantes e uma agilidade de dar inveja a outros filmes do mesmo tipo. É interessante o modo como o roteiro constantemente resolve problemas em cenas pequenas e rápidas, fazendo o filme fluir de forma muito mais orgânica. Certamente este é o longa com mais ação de todos do universo Marvel! São pouco mais de 2 horas e os descansos são poucos. Eu, particularmente, adorei isso e me lembrou muito os filmes do Indiana Jones, com diversas cenas de ação non-stop em vários países diferentes. Além disso, o filme surpreende ao apresentar um vilão que realmente dá uma sensação de urgência e perigo, já que o Loki era bastante carismático e cheio de piadinhas. Ultron é um vilão megalomaníaco, mas com uma presença poderosa e um visual lindamente ameaçador. Ainda tem o Visão, personagem mais interessante do filme. Ele tem uma criação bastante curiosa, além de dilemas profundos e perfeitamente desenvolvidos pelo roteiro (sem contar o visual deslumbrante). 'Vingadores - Era de Ultron' é um filme gigantesco, com um scope enorme! Cenas de ação absurdamente criativas e um roteiro igualmente inteligente e divertido. Mais um acerto pra Marvel! (Avengers - Age of Ultron. Dirigido por Joss Whedon. Com Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Paul Bettany e Scarlett Johansson. Aventura. 141 min.)

NOTA: 8.5

22 de abr de 2015

54. AMALDIÇOADO (2013)

Assim que assisti 'Alta Tensão' (Haute Tension, 2003) eu sabia que Alexandre Aja era um diretor cuja carreira eu precisava acompanhar. Logo depois ele realizou 'Viagem Maldita' (The Hills Have Eyes, 2006), um dos melhores remakes que já vi, e os divertidos 'Espelhos do Medo' (Mirrors, 2008) e 'Piranha' (Piranha 3D, 2010). 'Amaldiçoado', baseado no livro de John Hill, é seu trabalho mais recente. Uma mistura de terror e suspense com fortes elementos de fantasia que conta a história de um rapaz acusado de matar a namorada tentando descobrir quem é o verdadeiro assassino. Além disso, chifres começam a crescer em sua testa, e o modo como as pessoas reagem a isso é algo extremamente divertido e original. Aja possui um estilo visual bastante forte, e isso vêm ficando cada vez mais evidente. A fotografia e a edição do filme são espetaculares, recheado de cores fortes e ângulos bastante estranhos. Não li o livro, então não posso comentar sobre a adaptação, mas o roteiro em si poderia ter explorado um pouco mais os elementos fantásticos que os chifres proporcionam, mas ao invés disso o roteirista Keith Bunin optou por uma estrutura mais formulaica. 'Amaldiçoado' é divertido, com uma atuação fantástica de Daniel Radcliffe e um visual deslumbrante. É um filme bastante estranho (no bom sentido!) e recheado de momentos emocionantes. (Horns. Dirigido por Alexandre Aja. Com Daniel Radcliffe. Suspense / Fantasia. 120 min.)

NOTA: 8

21 de abr de 2015

53. ASSOMBRADA PELO PASSADO (2013)

O diretor Vincenzo Natali realizou ao longo de sua carreira alguns trabalhos bastante interessantes como 'Cubo' (Cube, 1998) e 'Splice - A Nova Espécie' (Splice, 2009). Ambos igualmente originais nas suas propostas, porém com o mesmo problema de direção. Natali possui um ótimo gosto para histórias interessantes, pena que ele não sabe contá-las muito bem. 'Assombrada Pelo Passado' é mais um exemplo disso. Apesar de ter uma premissa bastante cativante e um desenvolvimento satisfatório da narrativa, é impossível notar que o roteiro poderia ter sido muito melhor explorado se tivesse caído em mãos diferentes. Abigail Breslin é uma boa atriz, mas que parece não ter desenvolvido nenhuma conexão com a personagem. Por outro lado, o roteiro escrito por Brian King é repleto de idéias originais e diálogos muito bem construídos. Sem contar o modo ágil que o enredo se desenvolve e as revira-voltas inesperadas ao longo da trama. Graças ao roteiro esperto, 'Assombrada Pelo Passado' escapa de ser mais um terror sobrenatural (apesar de ter diversas cenas extremamente clichês do gênero), porém se a direção fosse tão ambiciosa quanto seu roteiro, este filme poderia ter tido um resultado muito mais interessante. (Haunter. Dirigido por Vincenzo Natali. Com Abigail Breslin. Suspense. 97 min.)


NOTA: 6.5

31 de mar de 2015

52. CINDERELA (2015)

Adaptações em live-action de conto de fadas se tornou a mais nova tendência de Hollywood nos últimos anos. Diversos estúdios lançaram suas versões até que a Disney começou a produzir suas próprias adaptações, apelando bastante para nossa memória afetiva ao fazer uma releitura que tenta lembrar muito os filmes originais. 'Malévola' peca por se comparar - visualmente - ao clássico de 1959, mas ao mesmo tempo mudar totalmente o espírito e acontecimentos extremamente marcantes na animação. E é por isso que 'Cinderela' acaba sendo uma grata surpresa. Sou um grande fã da animação e, devido ao fraco 'Malévola', esperava algo distante da obra original. Pelo contrário, a maior qualidade do longa dirigido por Kenneth Branagh é sua fidelidade ao ao clássico de Walt Disney. É aquele tipo de filme onde você ja sabe tudo o que vai acontecer desde o primeiro frame, mas mesmo assim você embarca na aventura graças ao modo como a história é contada. O filme é conduzido de forma deliciosamente leve e com um humor bastante ingênuo, se mantendo fiel ao espirito da animação original. O elenco todo está bem, mas Cate Blanchett rouba a cena ao interpretar a vilã Lady Tremaine (ou A Madrasta). A intimidade que Kenneth Branagh tem com as obras de Shakespeare certamente contribuíram para o sucesso do filme, já que o romantismo e os diversos clichês do gênero acabam tornando a experiência muito mais gostosa. Felizmente, esta adaptação da animação clássica de 1950 consegue contar de forma incrivelmente mágica uma história antiga e batida, fazendo deste filme uma das melhores surpresas de 2015. (Cinderella. De Kenneth Branagh. Com Lily James, Cate Blanchett, Helena Bonham Carter e Richard Madden. Fantasia / Romance. 113 min.)

NOTA: 8

16 de mar de 2015

51. KINGSMAN - SERVIÇO SECRETO (2015)

No últimos 8 anos Matthew Vaughn dirigiu filmes extremamente divertidos como 'Stardust', 'Kick-Ass' e 'X-Men: Primeira Classe'. Com 'Kingsman - Serviço Secreto' ele se firma como um dos melhores diretores de ação e aventura. Se em 'X-Men: Primeira Classe' ele brincou ao colocar os mutantes em uma narrativa de espionagem e cheia de referência ao mundo de 007, aqui ele abre seu coração e faz uma enorme homenagem ás aventuras de James Bond. A trilha sonora, os figurinos, a direção de arte, as lutas e principalmente os vilões tentam - e conseguem! - emular o clima e o estilo dos filmes antigos de 007. Em alguns momentos o agente-secreto criado por Ian Fleming é citado pelos personagens em diálogos bastante interessantes, sendo esta apenas uma das diversas referências presentes em 'Kingsman'. Até mesmo 'My Fair Lady', 'Star Trek' e 'O Iluminado' são fortes referências presentes tanto nos diálogos quanto no visual do filme. Colin Firth está incrível no papel do agente secreto Harry Hart, protagonizando algumas das cenas de ação mais criativas e bem coreografadas recentemente. Taron Egerton, Samuel L. Jackson e Michael Caine são outras agradáveis surpresas no filme. É interessante notar que, apesar de ser recheado dos mais clássicos e batidos clichês, 'Kingsman' utiliza todos eles de forma inventiva e inesperada, até mesmo indo contra a maré em certos momentos e nos surpreendendo com revira-voltas surpreendentes e essenciais para o desenvolvimento da narrativa. O novo filme de Matthew Vaighn talvez seja o melhor de sua curta carreira até agora. 'Kingsman' é um filme extremamente violento, porém muito engraçado, divertido e ás vezes meta-linguístico, criando uma mistura deliciosa. (Kingsman - The Secret Service. Dirigido por Matthew Vaughn. Com Colin Firth, Samuel L. Jackson e Michael Caine. Espionagem / Ação / Comédia. 129 min.)

NOTA: 9.5

10 de mar de 2015

50. RENASCIDA DO INFERNO (2015)

Filmes de terror raramente chegam aos cinemas brasileiros, e alguns não aparecem nem ao menos em home video. É triste ver que títulos como 'Renascida do Inferno' acabam ganhando um grande destaque nos cinemas quando outros tipo 'O Espelho' (Oculus, 2014) passam praticamente despercebidos. Começando com uma premissa bastante interessante, somos apresentados á um grupo de cientistas que acabaram de desenvolver um soro que ressuscita um cachorro morto. A partir daí começa a sucessão de mortes (todas visualmente leves) e sustos, mas o desenvolvimento da narrativa é extremamente raso e recheado de personagens vazios. Olivia Wild interpreta a cientista que acaba sendo ressuscitada após morrer inesperadamente, sendo a única personagem com algum drama pessoal. O filme acaba apostando nos piores clichês do gênero, e todos terrivelmente executados, tornando tudo bastante previsível. Felizmente as boas idéias que 'Renascida do Inferno' apresenta o salvam do desastre total, fazendo alguns momentos serem ao menos razoavelmente interessantes. Por outro lado, o resultado final acaba sendo negativo pelo modo preguiçoso como o roteiro acabou sendo desenvolvido. Os longos 83 minutos poderiam ser facilmente o primeiro ato de um filme, já que o final tem potencial para uma nova história mais interessante. 'Renascida do Inferno' é um terror com um roteiro recheado de potencial, mas escrito sem criatividade e com pouca coragem. Pena. (The Lazarus Effect, Dirigido por David Gelb. Com Olivia Wilde e Evan Peters. Terror. 83 min.)

NOTA: 4

9 de mar de 2015

49. SNIPER AMERICANO (2014)

Filmes de guerra não são o meu forte. Normalmente tento fugir desse tipo de filme, mas alguns despertam minha curiosidade e 'Sniper Americano' foi um desses. Dirigido por Clint Eastwood, o filme conta a história de um atirador de elite durante a Guerra do Iraque e em como essa experiência afetou sua vida significativamente. Bradley Cooper está ótimo no papel Chris Kyle, tendo mudado drasticamente seu físico para a interpretação desse papel. Acompanhei a série 'Alias: Codinome Perigo' durante sua exibição original e, por isso, fico feliz em ver a evolução e o reconhecimento que Cooper vêm tendo nos últimos anos. Apesar disso, não considero sua atuação neste filme digna de uma indicação ao Oscar de Melhor Ator. Na verdade, as indicações nas categorias de Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado poderiam ter ido para filmes que mereciam mais. Mesmo assim, o longa de Clint Eastwood se mostra bastante interessante ao aplicar um forte tom de suspense durante a maior parte da narrativa, criando momentos de absoluta tensão. Além disso, sou um grande fã de violência gráfica no cinema, e 'Sniper Americano' me pegou de surpresa ao mostrar cenas bastante fortes, sendo algumas delas protagonizadas por crianças, o que deixa toda situação muito mais tensa. Admito que 'Sniper Americano' foi uma boa experiência, mas nada que justifique a enxurrada de prêmios a que foi indicado. É um bom filme, com boas atuações e uma narrativa extremamente envolvente. (American Sniper. Dirigido por Clint Eastwood. Com Bradley Cooper. Drama. 132 min.)

NOTA: 7

8 de mar de 2015

48. A POSSESSÃO DE DEBORAH LOGAN (2014)

Desde 'O Exorcista' inúmeros filmes de terror reciclaram a fórmula construída pelo longa de 73. Alguns tiveram sucesso, mas a maioria nem tanto. 'A Possessão de Deborah Logan' é um filme que trata a posessão de forma bastante curiosa e se inspirando fortemente no filme de William Friedkin. Filmado no desgastado estilo 'falso documentário', somos apresentados à uma equipe de documentaristas interessados em acompanhar o desenvolvimento da doença Alzheimer na paciente Deborah Logan. Com o tempo as crise se tornam mais fortes, sendo descoberto uma possessão. As atuações são excelentes, principalmente a de Jill Larson no papel da personagem-título. O estilo em formato documentário até que não me incomodou tanto, sendo raros os momentos em que a câmera cansa por ser tremida demais. O roteiro se desenvolve utilizando exatamente a mesma fórmula de 'O Exorcista', mostrando a possessão sendo confundida com uma doença, tratamentos médicos, a procura de ajuda divina como última saída, o ritual final, entre outros. A diferença é que no filme de 73, a filha é quem fica possuída, e neste filme é a mãe. 'A Possessão de Deborah Logan' é um filme assustador, com atuações fortes e um bom aproveitamento da estrutura de 'O Exorcista'. Não apresenta nada de novo, mas é uma boa história contada de uma forma interessante. (The Taking of Deborah Logan. Dirigido por Adam Robite. Com Jill Larson, Anne Ramsay, Michelle Ang e Ryan Cutrona. Terror. 90 min.)


NOTA: 7

7 de mar de 2015

47. A CANÇÃO DE BERNADETTE (1943)

Depois de assistir 'A Canção de Bernadette' pela primeira vez pude facilmente colocá-lo como um dos meus filmes favoritos. Baseado em fatos reais, o filme conta a história da vida da Santa Bernadette Soubirous, uma simples garota que acaba tendo visões de uma mulher popularmente identificada com a Virgem Maria. Apesar de não ser praticante de nenhuma religião, sempre me interessei por filmes com temática bíblica pelo simples fator de entretenimento. 'A Canção de Bernadette' tem uma história muito simples, porém extremamente bem contada. As atuações são de uma simplicidade linda, fazendo o filme ser delicioso de se assistir. Jennifer Jones está incrível no papel-título, tendo ganho o prêmio de Melhor Atriz no Oscar de 1943. Além disso a fotografia e a direção de arte são estonteantes, contribuindo para um visual incrível. Várias cenas com ângulos e sombras emblemáticas lembram muito pinturas bíblicas. Apesar da longa duração, o filme não cansa e não é lento em nenhum momento. Tudo que está presente na tela leva à algum lugar e tem motivos necessários de estarem na trama. As 2 horas e meia passam voando, fazendo do filme uma experiência bastante gostosa. 'A Canção de Bernadette' é simples, com ótimas atuações, uma fotografia deslumbrante e extremamente delicioso de se assistir. (The Song of Bernadette. Dirigido por Henry King. Com Jennifer Jones. Drama. 156 min.)

NOTA: 10

6 de mar de 2015

46. CLOWN (2014)

Um filme de terror que marcou minha infância e se mantém como um dos meus favoritos é 'Palhaço Assassino' (Clownhouse, 1988). Sempre que é lançado um novo filme tendo algum palhaço como vilão, fico esperando que seja tão bom quanto - ou melhor - que o longa de 88. Felizmente 'Clown' não decepciona, e introduz um vilão com presença ameaçadora e uma história muito divertida. Durante sua primeira metade, o filme mostra a transformação física e mental que o pai de família Kent passa ao vestir uma roupa de palhaço que acaba ficando presa ao seu corpo. 'Clown' mistura elementos de terror, comédia e fantasia perfeitamente ao criar uma mitologia interessante para a figura do palhaço. Assim como 'Late Phases' apresenta um novo olhar para os filmes de lobisomem, 'Clown' se mostra igualmente original para o subgênero de palhaços assassinos. A maquiagem e o visual do personagem já transformado são incríveis, tendo enorme potencial de se transformar no novo serial killer queridinho dos fas do gênero. Umas das coisas que me impactou bastante foi o fato de quase todas as vítimas serem crianças pequenas, além de as cenas de assassinato serem extremamente gráficas e violentas. Outro ponto positivo é a fotografia do filme que contém cores fortes e uma iluminação assustadora, fazendo o filme ter um visual lindo. Uma cena que me chamou bastante a atenção foi a que se passa dentro de um playground para crianças, dando uma sensação estranha de claustrofobia e medo. Com um visual divertido, autuações impactantes e um roteiro bastante original, 'Clown' é um ótimo e criativo filme de terror slasher. (Clown. Dirigido por Jon Watts. Com Andy Powers e Peter Stormare. Terror. 99 min.)

NOTA: 8.5